sexta-feira, 14 de novembro de 2008

A tal cozinha Tecno Emocional.

Espero que ninguém tenha desistido da gente, já que há 1 semana não aparecemos por aqui. É que, entre o trabalho aqui na agência e o estágio da Bia, fora o aniversário do nosso Davi - que vai ser amanhã- e um concurso de culinária do curso da Bia(prometemos colocar algo em breve por aqui), estamos realmente sem tempo.

Mas boas notícias continuam acontecendo. Fui convidado por um grande amigo para escrever um artigo sobre culinária para uma revista. Como fui para o Prazeres da Mesa 2008, onde foi discutido o atual momento da gastronomia mundial, ele me pediu para falar sobre alta gastronomia. Lembrei que foi justamente no evento que discutiram que a nomenclatura “gastronomia molecular” não traduz completamente a essência da vanguarda espanhola nas panelas. O que os mágicos da cozinha (não só espanhola) estão fazendo hoje é justamente uma volta às origens, a valorização dos produtos da terra, das memórias gustativas, numa cozinha “emocional”, trabalhada às vezes com um viés tecnológico para criar novas sensações. Discussões sobre espumas à parte, a cozinha EMOCIONAL, essa sim, tem cada vez mais valor à mesa. Alex Atala, com sua paixão pelo produto nacional, representa bem isso na sua alta gastronomia. Flávia Quaresma idem. Mas o que eu achei mais legal foi ter visto a paixão e o respeito do Rodrigo Oliveira, do Mocotó, pelos ingredientes nordestinos, com os quais ele cresceu convivendo por conta do seu pai, um pernambucano. Assisti uma aula dele sobre queijo coalho que me deixou cheio de idéias, que vão aparecer aqui em breve.

E como bom nordestino, que não nega as origens, mostro aqui minha contribuição para a cozinha lá de casa. Apesar de nada tecnológica, tem bastante valor. Esse emocionou sem nem precisar do fogão. Foi o presente de aniversário da Bia, minha doceira favorita, que só agora publico aqui.


Assucar, Gilberto Freire, 1a Edição de 1939.

7 comentários:

Claudia disse...

E tu, Atala, Flávia estão muito certos! A questão dos alimento local é uma discussão longa e fundamental.

E que achado este livro! Estou certa de que 'assucar' deve realmente ser bem melhor do que 'açúcar'!

C.

Dani disse...

que raro livro!

Só havia visto na exposição no museu da lingua portuguesa.

Nicolau disse...

Acabei de chegar. Parabéns, excelente blog. Talvez o melhor sobre culinária.

Abraços

Leo disse...

Claudia, assucar tem um gostinho a mais. obrigado pela visita.


Dani, procurando um pouquinho, acha-se tudo, hehehe, abraço.


Nicolau, tem um monte de blogs legais por aí. Mas fico realmente muito feliz com o elogio. volte sempre. abração.

Alessander Guerra disse...

Leo acabei que incluir o Trivial lá no Cuecas. Já estava para colocar faz tempo, mas a correria...

abs
Alessander Guerra
www.cuecasnacozinha.com

Leo disse...

Alessander, é uma honra. Obrigado e o Cuecas também já está ali no lado direito. Abraço.

Bergamo disse...

Assucar...lindo....guarde bem escondido...rsrsrrsrs
Amo até o cheiro desses livros antigos.
Abraços,
Bergamo